Pedido de Orçamento

Bolsonaro tumultua eleição com dados de urnas tratados com discrição pelo Exército

Envie seus dados. Nós respondemos!
  • Clique no link abaixo para fazer a verificação antes de enviar o formulário.
  •  
  • Ou entre em contato por telefone.
  • (14)98839-6695
  • (14)98839-6695
  • Localização
  • Horário de Atendimento:

Comprar

Bolsonaro tumultua eleição com dados de urnas tratados com discrição pelo Exército

Para comprar vá até a nossa loja.
  • Localização
  • Horário de Atendimento:
  • Ou entre em contato por telefone.
  • (14)98839-6695
  • (14)98839-6695

Enviar Mensagem

Envie uma mensagem. Nós respondemos!
  • Clique no link abaixo para fazer a verificação antes de enviar o formulário.
  •  
  • Ou entre em contato por telefone.
  • (14)98839-6695
  • (14)98839-6695
  • Localização
  • Horário de Atendimento:

Agendar

  • O agendamento se dará de acordo com a disponibilidade. Retornamos para confirmar.
  •  
  • Ou entre em contato por telefone.
  • (14)98839-6695
  • (14)98839-6695
  • Localização
  • Horário de Atendimento:

Regras

Leia as Regras
  • Se preferir entre em contato com a gente.
  • (14)98839-6695
  • (14)98839-6695
  • Horário de Atendimento:

Guia de Associados

Segmentos
Marília do Bem
  • Conteúdo

menu

Eleições 2022

Bolsonaro tumultua eleição com dados de urnas tratados com discrição pelo Exército

General compartilha dados sobre urnas na Defesa e integrantes do ministério dizem que supostos problemas podem ser corrigidos ler

10 de maio de 2022 - 11:00

Os relatórios que o Exército produz sobre as urnas eletrônicas são compartilhados com a cúpula do Ministério da Defesa por um integrante do Alto Comando da Força.

Este compartilhamento é que municia a ofensiva de Bolsonaro contra o sistema eleitoral. O responsável é o general de Exército Guido Amin Naves que é caracterizado na corporação como sério e reservado e vem sendo, contra à vontade, envolvido na celeuma bolsonarista.

O comandante de Defesa Cibernética é o general de Divisão Heber Garcia Portella, o responsável por formular questionamentos e sugestões na comissão de transparência das eleições montada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Os pontos levantados por Portella dialogam com as contestações habitualmente feitas por Bolsonaro.

Amin é um general quatro estrelas na ativa. Por ter a mais alta patente, integra o Alto Comando do Exército, o colegiado que assessora o comandante na tomada de decisões. Portella é um general três estrelas: não cabe a ele participar de reuniões que envolvem as cúpulas militares.

E Amin não se encontra com Bolsonaro. Já Portella é o escolhido do ex-ministro da Defesa Walter Braga Netto para o posto no TSE. Braga Netto (PL) é cotado para ser vice de Bolsonaro na campanha pela reeleição.

Na avaliação do Ministério da Defesa há problemas na segurança do processo eleitoral, o que vem alimentando os discursos e ofensivas golpistas de Bolsonaro. Mas, consideram que os problemas são técnicos e podem ser corrigidos a tempo.

O ministro da Defesa não deseja a ruptura entre os Poderes, por saber das consequências disso ao país, e vem agindo como conciliador. Nesta perspectiva, já houve reunião com o ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux, e agendamento com o presidente do TSE, ministro Edson Fachin.

O movimento do ministro da Defesa foi uma tentativa de antídoto ao golpismo de Bolsonaro, que faz uso político dos militares. Entretanto, foi considerada um erro, pois forneceu uma ferramenta para Bolsonaro discursar contra o sistema eleitoral brasileiro.

A mesma leitura tem sido compartilhada por militares, reservadamente. Integrantes do Exército relatam constrangimento com a participação oficial no processo. Segundo eles, isso acaba por politizar inevitavelmente as Forças.

Fonte: Folha de São Paulo

Comentários

Mais lidas